sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Leque de madeira

Olá meu povo!!
Noite quente em Campinas, mas isso vai mudar a partir de sábado!
que bom! rsss

Amigos, vou falar sobre leques, quem aqui nunca fez um leque na escola com papel do caderno pra se abanar?
Eu fazia sempre!
Hoje eu tenho dois leques que comprei na lojinha do chiling chiling

Quando eu casei, morava numa casinha de fundos muito aconchegante, e fiz meu primeiro leque pra enfeitar a parede da sala.
Fiz um de cartolina, e encapei com papel camurça azul, colei rendinhas, fiz um laço vermelho eu acho e algumas flores artificiais.



Algum tempo depois, comprei um leque do mesmo modelo que a foto abaixo, só que era da cor natural, e novamente botei rendinhas vermelhas, laços e flores.
Que fim levou?
só Deus sabe colega! rsss
Se fosse hoje em dia jamais iria pro lixo.
*_*



Alguns anos se passaram, mudei de casa e eu abandonei os leques.
Até que um dia fiz dois mini leques de crochê.
Esses eu joguei fora, porque eu endureci com calda de açúcar e não passei verniz que nem meu nariz, eles  a um dia eles pegaram sol, e o açúcar começou a derreter, kkkkkk
joguei fora.



Agora fiz outro leque, mas esse é só meu! rsss
Essa expressão só meu, quem usa é uma amiga, quando ela compra um anel daqueles lindos.
Daí ela diz que é um anel só dela.

Fiz esse leque de uma cantoneira.
Essa ideia surgiu do nada, esse artesanato ninguém me inspirou.

Ficou bacana né não?
Se algo assim já existe pela internet, eu juro que não copiei viu? *_*
é que sempre digo que artesãos e crocheteiras sempre pensam igual.


Eu postei já a algum tempo, a foto das cantoneiras e perguntei o que iria sair disso.
Fiz um leque só, deixa a outra cantoneira quietinha lá, quem sabe invento outro coisa qualquer dia desses.
Bom final de semana pessoal!





Não devemos ter medo de inventar seja o que for. Tudo o que existe em nós existe também na natureza, pois fazemos parte dela.

Pablo Picasso